Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de Umbanda Livre em seu site de social bookmarking


Intolerância religiosa reduz chances no mercado de trabalho

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Intolerância religiosa reduz chances no mercado de trabalho

Mensagem por Tania Jandira em Sex Abr 17, 2015 1:04 am

A escolha de credo, um critério que não deveria ser considerado durante a busca por uma vaga no mercado, tem sido levada em conta pelas empresas na hora da contratação. A afirmação foi feita pela analista de Recursos Humanos da agência Simetria, Cristiane Fernandes, na terça-feira, durante um debate na Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH), que reuniu diversos segmentos religiosos. Segundo a especialista, por lei, as empresas não podem perguntar a religião de candidatos em formulários de recrutamento de vagas, mas a prática é comum em entrevistas.
— É um preconceito velado. Mas o nosso papel é o de selecionar sempre o melhor funcionário para a vaga, independentemente da religião ou etnia — disse a analista, no encontro promovido pela organização Expo Religião, em parceria com o Centro de Promoção da Liberdade Religiosa & Direitos Humanos (Ceplir), ligado à secretaria.

Segundo o documento que a secretaria entregará ao Ministério Público do Trabalho, até sexta-feira, 80% das pessoas de religiões de matriz africana no país sofrem sanções no mercado de trabalho. Logo atrás delas, vêm as mulheres muçulmanas, com 70%. Uma das denúncias do relatório mostra que este grupo só tem conseguido trabalhar como atendente de telemarketing.
— Elas têm denunciado que preenchem várias fichas, mas só são chamadas para esta função, sem contato direto com o público — afirma Luzia Lacerda, da Expo Religião.
O assunto é delicado até mesmo para quem ensina o próprio tema, caso da professora de História Flávia Lopes.
— Uso o lenço em sala, mas não falo sobre a minha religião, por causa do preconceito e dos questionamentos.
Cláudio Nascimento, superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da secretaria ressaltou a importância da atuação da pasta no acompanhamento de ameaças sofridas por religiosos.
— Vamos criar campanhas de conscientização e políticas que assegurem a liberdade — afirmou.
Analista de Recursos Humanos da agência Simetria Cristiane Fernandes diz que a intolerância afeta outras crenças
— Também temos relatos de profissionais já foram discriminados e questionados no ambiente corporativo porque foram trabalhar na sexta-feira de roupa branca. Cor muito comum usada por quem pratica religiões africanas.

Leia mais: http://extra.globo.com/emprego/intolerancia-religiosa-reduz-chances-no-mercado-de-trabalho-15876508.html#ixzz3XWh8mRhw
avatar
Tania Jandira

Mensagens : 2752
Reputação : 177
Data de inscrição : 02/02/2012
Idade : 58
Localização : Rio de Janeiro

http://psicoterapiarj.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum