Menina praticante do candomblé é agredida por intolerância religiosa

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Menina praticante do candomblé é agredida por intolerância religiosa

Mensagem por Tania Jandira em Dom Out 04, 2015 1:41 am

Menina de 14 anos é chamada de 'macumbeira' e agredida fisicamente na escola um dia depois de postar foto ao lado da mãe e de uma amiga em centro de Candomblé. Desde o episódio, a adolescente não quer voltar à escola, assim como o irmão dela, de 11 anos
Uma jovem de 14 anos praticante de Candomblé não quer mais voltar para a escola desde que foi agredida por colegas de classe no dia 31 de agosto, em Curitiba, no Colégio Estadual Alfredo Parodi.
Agnes teria sido vítima de intolerância religiosa, afirmam testemunhas. A motivação para a agressão foi uma foto, postada no dia anterior em uma rede social, em que a menina aparece ao lado da mãe e de uma amiga, as três do Candomblé. As informações são do jornal Extra.
Agnes ainda tentou explicar como a religião funcionava, mas foi interrompida por uma estudante que a chutou, fazendo com que Agnes batesse a cabeça na parede. Enquanto isso, os outros estudantes teriam gritado: “chuta que é macumba”.
“A gente ia levar uma amiga no aeroporto e tirou uma foto com ela lá. A Agnes foi marcada na foto e viram no Facebook dela. No dia seguinte, na primeira aula, uma menina disse que não queria ficar perto da Agnes porque ela era da macumba. A Agnes começou a explicar o que era, mas depois falaram que iam chutá-la, porque ela é da macumba. A menina foi e chutou a Agnes, que caiu com a cabeça na parede”, afirmou Dega Maria, mãe de Agnes.
Dega só soube da agressão por intolerância religiosa quando foi buscá-la na escola. “Tia, a Agnes está machucada lá dentro”, disse um estudante. “Entrei para dentro da escola e vi a minha filha com o rosto machucado, sangrando, um galo enorme da testa. E ela me falou: “Essa menina me chamou de macumbeira. Disse que a senhora não presta, que a senhora é uma doença”, conta a mãe da menina agredida, que reclama que até o momento não recebeu nenhum tipo de retorno da escola, a não ser a orientação para procurar um psicólogo.
Intolerância
De acordo com Dega Maria, não é a primeira vez que ela e a filha são vítimas de intolerância religiosa.
“É comum isso. Uma vez fomos a uma padaria comprar alguma coisa e fomos perseguidos, eu e meus três filhos, por um carro com rapazes de camisa de “exército de Jesus”. Dessa vez agora eu preferia que tivesse acontecido comigo, seria diferente. A Agnes está sofrendo muito, está muito magrinha, com o rosto machucado, com vergonha, sem vontade de voltar ao colégio”, afirma.
A Casa de Oxumarê, uma das maiores de Candomblé do Brasil, divulgou uma nota de repúdio ao episódio.
“Casos como esse devem ser rechaçados com o máximo vigor! Assim, a Casa de Oxumarê, na sua histórica e incansável luta contra a intolerância religiosa, se solidariza com o sofrimento experimentado pela menina Agnes e, sobretudo, repudia veementemente tais atos de intolerância religiosa”, diz parte da nota. Leia a íntegra abaixo:
http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/10/menina-praticante-de-candomble-e-agredida-por-intolerancia-religiosa.html

avatar
Tania Jandira

Mensagens : 2739
Reputação : 177
Data de inscrição : 02/02/2012
Idade : 57
Localização : Rio de Janeiro

http://psicoterapiarj.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum