Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de Umbanda Livre em seu site de social bookmarking


Grupos religiosos se reúnem no Masp contra a intolerância religiosa

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Grupos religiosos se reúnem no Masp contra a intolerância religiosa

Mensagem por Tania Jandira em Qui Jan 21, 2016 4:01 am

São esperadas mais de duas mil pessoas para evento no dia 21 de janeiro, Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa.
O Brasil estabeleceu o princípio da separação entre Estado e Igreja desde a Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889. O princípio da laicidade foi reafirmado na Constituição de 1988, mas desde então não vem sendo cumprido.
Grupos e vertentes de diferentes religiões se encontrarão na próxima quinta-feira (21), no Vão Livre do Masp, às 19h, contra a intolerância religiosa. Para os grupos, durante 2015, a questão se agravou. A expectativa é reunir duas mil pessoas.
Roger Cipó, que professa o candomblé, é mobilizador do ato e tem projetos fotográficos e pesquisas que buscam desmistificar as religiões de matriz africana, quebrando estereótipos e revelando a crença, concepções, luta e dignidade do povo negro.
“Quero evidenciar que estamos indo para rua no sentindo de, juntos, mostrarmos que o povo de santo é uma unidade. Queremos mostrar nossa força de organização para a sociedade. A gente precisa ser visto e mostrar nossos direitos. Vamos todos de branco, porque o branco é o símbolo universal da paz - a paz entre os povos, a paz entre as religiões - e o símbolo universal da nossa religião”, afirma.
Apoio
Para a monja Coen, que reside no templo budista Tenzui Zenji, em São Paulo, onde é presidenta do Conselho Religioso da Comunidade Zen Budista Zendo Brasil e do ViaZen/VilaZen do Rio Grande do Sul, são lamentáveis as demonstrações de ódio e intolerância contra as religiões de matrizes africanas. “É preciso educar, conhecer para respeitar. Muitas pessoas desconhecem outras tradições espirituais e limitadas pela ignorância, atacam, insultam. Geralmente as pessoas mais fracas são as mais agressivas e abusivas. Quem discrimina, é intolerante, não é um ser humano forte. Pelo contrário, deve ser apiedado e reeducado, pois desconhece e teme por desconhecer”, afirma a monja.
Franklin Felix é espírita e um dos idealizadores do Movimento Espírita pelos Direitos Humanos e facilitador regional da Rede Ecumênica da Juventude (Reju). Ele participará do ato na quinta-feira e tem mobilizado sua comunidade para luta pelo Estado Laico e contra a intolerância: “Temos utilizado, como forma de mobilizar, nosso programa Mutirão, na Rede Boa Nova de Rádio e a fanpage Espiritismo e Direitos Humanos. Como Reju, estamos protagonizando a campanha '#VistoBranco', '#ContraaIntolerância' e' #EstadoLaicoDeFato'”, finaliza.
Violência
O dia 21 de setembro é, desde 2007, o dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, em homenagem a ialorixá Gildásia dos Santos, que veio a falecer depois de ter seu terreiro invadido por evangélicos, que depredaram o espaço e agrediram seu marido física e verbalmente.
Dados de um relatório preliminar da Comissão de Combate a Intolerância Religiosa (CCIR), divulgados em 2015 revelam que, de janeiro de 2011 a junho de 2015, o disque 100 da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República recebeu 462 denúncias sobre discriminação religiosa. Além disso, o documento mostra um aumento na intolerância religiosa virtual.
As denúncias envolvendo religiões de matrizes africanas são as mais registradas. O Centro de Promoção de Liberdade Religiosa e Direitos Humanos (Ceplir) diz que quase mil casos de intolerância religiosa foram registrados no Rio de Janeiro, entre julho de 2012 e dezembro de 2014. Destes casos, cerca de 71% são de intolerância contra religiões afro-brasileiras.
Resistência
A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou o dia das Tradições das Raízes de Matrizes Africanas e Nações da Umbanda e do Candomblé. O Projeto de Lei 1552/2015, de autoria da Deputada Estadual Clélia Gomes (PHS), foi sancionado pelo governador do estado de São Paulo e garante o dia 30 de setembro para os festejos.
Em sua página a deputada comenta a importância da aprovação da data e a memória de religiões seculares e preteridas no Brasil: “O povo de Candomblé e da Umbanda, bem como todos os povos tradicionais do Brasil, necessita e merece ter espaço e voz no nosso país. E nada mais reconhecedor do que se instituir o Dia das Tradições das Raízes de MatrizesAfricanas e Nações da Umbanda e Candomblé”.
http://www.brasildefato.com.br/node/33958
avatar
Tania Jandira

Mensagens : 2752
Reputação : 177
Data de inscrição : 02/02/2012
Idade : 58
Localização : Rio de Janeiro

http://psicoterapiarj.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum