Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Social bookmarking

Social bookmarking digg  Social bookmarking delicious  Social bookmarking reddit  Social bookmarking stumbleupon  Social bookmarking slashdot  Social bookmarking yahoo  Social bookmarking google  Social bookmarking blogmarks  Social bookmarking live      

Conservar e compartilhar o endereço de Umbanda Livre em seu site de social bookmarking


CUMPRA-SE DISCUTE LEI DE COMBATE À INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

Ir em baixo

CUMPRA-SE DISCUTE LEI DE COMBATE À INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

Mensagem por Tania Jandira em Ter Abr 03, 2018 1:53 am

A comissão especial da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) criada para acompanhar o cumprimento das leis, o Cumpra-se, recebeu diversas sugestões para aumentar o cumprimento da Lei 7.855/18, que determina que as ocorrências motivadas por intolerância religiosa sejam assim classificadas nas delegacias policiais. Incluir o delito entre os indicadores estratégicos, capacitar os policiais para esse tipo de atendimento e criar uma comissão para o acompanhamento são algumas das medidas discutidas. O tema foi debatido em audiência pública realizada nesta segunda-feira (26/03).

O Rio de Janeiro é o estado brasileiro com maior incidência deste tipo de crime, de acordo com o relatório Intolerância Religiosa no Brasil, produzido pelo Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (Ceap), com dados de 2011 a 2015. Mais de 70% dos casos no Rio são contra praticantes de religiões de matriz africana.

A professora Viviane Rocha garantiu durante a audiência ser uma dessas vítimas. Ela e o filho teriam sido discriminados na escola do garoto, uma instituição adventista. “O Lucas vinha sofrendo retaliações dos próprios professores. Reclamei e me disseram apenas para orar. Certo dia, fui impedida de entrar no colégio porque disseram que eu estava vestida de macumbeira. Chamei a polícia e meu filho acabou expulso. Eu tenho recebido mensagens de ódio e ele está sem estudar”, contou Viviane.

Para o presidente da comissão e um dos autores da norma, deputado Carlos Minc (PSB), há má vontade em alguns setores da polícia em fazer os registros e também uma dificuldade de investigação. Minc explicou a lei: “O texto, aprovado ano passado, obriga três coisas: que fique claro no registro de ocorrência, sem ambiguidade, a intolerância religiosa; a produção de uma estatística detalhada com quem agride, onde, quais religiões; e uma política pública de prevenção. A lei vale para todas as religiões. Queremos que esses crimes sejam resolvidos, os intolerantes punidos e a liberdade religiosa preservada.”

Dificuldades nos registros

Os obstáculos para que casos de intolerância religiosa sejam registrados nas delegacias foram relatados por vários participantes da reunião. Segundo o delegado Gilbert Stivanello, assessor especial de Relações Institucionais da Polícia Civil, a instituição trabalha para diminuir os casos de mau atendimento. “Como qualquer prestação de serviço, temos uma oscilação de qualidade de um funcionário para outro. Mas a diretriz é para que se dê a devida atenção à intolerância religiosa. Temos serviços para mapear esses problemas. O cidadão pode denunciar o mau atendimento policial por telefone anonimamente. Diante destes relatos, podemos encaminhar a situação para medidas educativas e, quando preciso, punir”, disse.

Quanto às estatísticas que não têm sido apresentadas pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), Stivanello afirmou que a Polícia Civil já faz a especificação de casos de intolerância religiosa há anos. “Nos registros existem vários campos a serem preenchidos como a tipificação, a qualificação das partes e a motivação presumida. Dentro da motivação tem o elemento intolerância religiosa desde 2009. Para fazer uma análise estatística nesse setor basta buscar esse marcador, o que entendemos como algo de fácil implementação. Agora, compete ao ISP divulgar esse material”, pontuou.

De acordo com o delegado André Drummond, uma boa solução seria inserir a intolerância religiosa entre os delitos considerados estratégicos. “Temos definições de metas e índices estratégicos a serem reduzidas e, como política pública, nada impede que a intolerância religiosa seja incluída”, explicou. Ao conseguirem a redução desses indicadores, os policiais são premiados. Os delegados também se comprometeram a encaminhar para a comissão uma série de sugestões de pontos técnicos para que a lei tenha maior alcance e seja mais efetiva.

O babalaô Ivanir dos Santos, interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, sugeriu que seja criado um grupo de transparência para acompanhar mês a mês os dados da polícia referentes a este tipo de crime. “Além disso, é muito importante a capacitação dos policiais para aplicar a lei. Se não, eles não vão aplicar”, disse. Para Ivanir, porém, o registro não é a única preocupação. Merece atenção também como a Polícia Civil dá andamento aos casos. “Registrar não significa que vão abrir um inquérito. Têm papel muito importante também o Ministério Público, acompanhando as investigações, e a Defensoria Pública, providenciando um bom sistema de defesa das vítimas”, afirmou.
Presidente em exercício da Casa e coautor do projeto, o deputado André Ceciliano (PT) ressaltou o papel do parlamento fluminense no combate ao preconceito religioso. "É muito importante a atuação da Alerj junto à Secretaria de Segurança e à Polícia Civil para fazer essa lei ser cumprida. A aprovação da lei foi uma vitória, mas a gente precisa avançar no cumprimento. A discussão na Casa é fundamental para que possamos ter a consciência dos cidadãos e do poder público para que os registros desses crimes sejam feitos", disse. O deputado Flávio Serafini (PSol) também participou da audiência.
avatar
Tania Jandira

Mensagens : 2773
Reputação : 179
Data de inscrição : 02/02/2012
Idade : 59
Localização : Rio de Janeiro

http://psicoterapiarj.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum